Artigo

Tipos de parto

Conheça os vários tipos de parto e saiba em que situações se aplicam.

Escrito por: Dr. Luís Branco, Ginecologista-Obstetra.

Existem essencialmente três tipos de parto: parto eutócico, parto vaginal assistido ou cesariana.

Parto normal

O parto eutócico consiste no parto normal, aquele que resulta no nascimento do recém-nascido através da força das contrações uterinas, sem qualquer instrumentação médica. Por vezes é necessário realizar uma episiotomia, que consiste num corte realizado na região perineal materna, para facilitar a saída do feto. Este é o tipo de parto mais frequente, o parto fisiológico, ou seja, mais natural.

Parto vaginal assistido

Contudo, em algumas situações, o parto vaginal tem de ser auxiliado, nomeadamente quando se suspeita de sofrimento fetal, uma paragem da descida do feto na bacia materna ou quando há necessidade de aliviar o esforço expulsivo materno. O parto vaginal pode ser auxiliado com recurso à aplicação de alguns instrumentos como a ventosa ou o forceps.

A ventosa consiste num instrumento de sucção através de uma campânula que é adaptada à cabeça fetal por vácuo. O médico obstetra, depois de o adaptar, exerce uma força de tração, coincidente com as contrações uterinas maternas, fazendo com que o feto desça na bacia materna, possibilitando o seu nascimento.

O forceps consiste num instrumento metálico constituído por uma espécie de duas colheres que são introduzidas na vagina materna para envolver a cabeça fetal. Tal como com a ventosa, o médico obstetra aplica o fórceps e depois exerce uma força de tração, coincidente com as contrações uterinas maternas, pelo canal de parto levando ao nascimento do feto.

Os instrumentos aplicados para auxílio do parto vaginal podem deixar algumas marcas tipo pisadura na cabeça do recém-nascido, que tipicamente se resolvem nas primeiras 48 horas após o parto.

Cesariana

Por vezes, o parto vaginal está contraindicado ou não é possível, e o bebé tem de nascer por cesariana. A cesariana consiste numa cirurgia em que é feita uma incisão no abdómen e no útero da grávida, requerendo anestesia.

A cesariana pode ser programada quando, à partida, há alguma contraindicação para parto vaginal, ou urgente quando, durante o trabalho de parto, surge alguma preocupação com o estado do feto ou da mãe, ou quando há uma tentativa não conseguida de parto vaginal.

A cesariana condiciona uma recuperação pós-parto mais lenta, relativamente ao parto vaginal, com cuidados específicos, nomeadamente da ferida operatória e, habitualmente, requer um internamento ligeiramente mais prolongado.

Newsletter

Receba dicas e conheça novos testemunhos todos os meses.

O seu endereço de e-mail

Data prevista para o parto

 

Siga-nos

Faça parte desta comunidade.


Com o patrocínio de: